O balanço de mortos nas inundações que ocorrem desde sábado na província de Papua, no leste da Indonésia, subiu para 89 e ainda há 74 pessoas desaparecidas, anunciaram, esta terça-feira, as autoridades indonésias.

O número de deslocados aumentou para mais de 6.800 e o número de feridos para 159, segundo o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres, Sutopo Purwo Nugroho.

Pelo menos 11.725 famílias foram afetadas e a maioria dos deslocados estão em vários abrigos na cidade de Sentani, onde fortes chuvas chegaram a durar mais de sete horas, causando enchentes.

O número de vítimas continua a aumentar devido à enorme extensão que foi afetada pelo desastre", disse Sutopo, em comunicado.

Uma tromba de água inundou parte da cidade de Sentani, localizada na base das montanhas Cycloop, e ao redor, e arrastou na sua passagem veículos, troncos e outros materiais que atingiram edifícios e outras estruturas.

Mais de 1.600 soldados de 23 agências governamentais e organizações civis estão a trabalhar para ajudar refugiados e a tentar aceder a áreas bloqueadas por árvores, lama e outros materiais.

Os 15 centros de refugiados estabelecidos em diferentes pontos de Sentani necessitam urgentemente de água potável, alimentos, cobertores, roupas, geradores elétricos e serviços de assistência psicológica, entre outros, indicou Sutopo.

Imagens divulgadas na segunda-feira mostram a força da corrente das águas que atravessaram a cidade e as inundações subsequentes, em que a água atingia a cintura dos moradores.

A parte ocidental da ilha da Nova Guiné, onde está a província de Papua, pertence à Indonésia e é um território rico em recursos naturais, mas subdesenvolvido, enquanto a parte oriental pertence à República da Papua Nova Guiné.

Inundações e deslizamentos de terra afetam a Indonésia todos os anos durante a estação chuvosa, cujo pico é entre dezembro e fevereiro.