«No dia da tragédia achei que o «Charlie» estava morto (…) mas não, não mataram o Charlie Hebdo», disse Antonio Fischetti, jornalista do Charlie Hebdo há quase 20 anos, dois dias depois do massacre.