A antiga presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, foi declarada culpada pelos crimes de abuso de poder, corrupção e ações coercivas e condenada a 24 anos de prisão, avança a Reuters.

“A presidente abusou do poder que lhe foi dado pelos cidadãos”, declarou o juiz na leitura na sentença.

A sentença, que foi transmitida pela televisão, considera que a ex-presidente e a amiga Choi Soon-sil, conhecida como “Rasputina”, foram responsáveis pela criação de uma vasta rede de favorecimentos tendo extorquido empresas como a Samsung, Hyunday e Lotte. 

Park, de 66 anos, não esteve em tribunal para ouvir a sentença, porque afirma que foi julgada de forma “parcial” fazendo-se representar pelos advogados.. A antiga presidente da Coreia do Sul nega todas as irregularidades de que é acusada.

Park Geun-hey, 66 anos, está em prisão preventiva desde março de 2017, tendo o Ministério Público pedido uma sentença de 30 anos de cadeia e o pagamento de 90 milhões de euros.

Em frente ao edifício do tribunal juntou-se uma multidão de apoiantes da ex-presidente que criticam o sistema judicial e que consideram “que o império da lei está morto” na Coreia do Sul.

Andreia Miranda / com Lusa