Um observatório solar pré-histórico no meio de um deserto, no Perú. Uma linha ferroviária que há décadas divide duas grandes cadeias montanhosas no Irão. Arte rupestre gravada há mais de 7 mil anos na Arábia Saudita. Estes são apenas alguns dos locais espetaculares que foram agora inscritos na Lista do Património Mundial da Unesco.

Veja ao pormenor todos estes locais na galeria associada ao artigo.

Devido à pandemia de Covid-19, a comissão de Património Mundial da Unesco não reuniu no ano passado e, por isso, a sessão deste ano, sediada em Fuzhou, China, e com a presença de participantes virtuais de todo o mundo, teve de avaliar a enorme lista de candidaturas apresentadas em 2020 e 2021.

Após vários dias de reuniões online, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) concordou em acrescentar 33 novos locais à sua lista de Património Mundial. 

Entre os locais agora classificados, encontram-se espaços tão distintos quanto o Sítio Roberto Burle Marx, um jardim tropical localizado no Rio de Janeiro, no Brasil, e o Paseo del Prado, o Jardim do Buen Retiro e o complexo arquitetónico, artístico e natural que os rodeiam, em Madrid, Espanha.

Ou os frescos do século XIV, na cidade italiana de Pádua, incluindo as magníficas pinturas de Giotto, e o complexo florestal Kaeng Krachan na Tailândia - uma floresta conhecida pelas suas plantas e pássaros ameaçados de extinção.

A histórica cidade de calcário As-Salt, na Jordânia; a cidade francesa de Nice; as cidades termais da Europa (incluindo Bath, na Inglaterra, e Františkovy Lázně na República Checa, e que foram classificadas como um grupo) e dois locais na Índia - o Templo Ramappa, também conhecido como Rudreshwara, e a antiga cidade de Dholavira - são outros dos sítios que entraram agora para a lista.

A primeira vez que a Unesco classificou locais como Património Mundial foi em 1978 e, nesse ano, elegeu sítios como o Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos e as Ilhas Galápagos, no Equador.

Quatro décadas depois, ainda há, todos os anos, novos locais a acrescentar à lista, desde que cumpram os critérios bastante exigentes da Unesco. Os sítios devem ter "valor universal excepcional", por serem "um testemunho único ou pelo menos excepcional de uma tradição cultural ou de uma civilização que existe ou que já desapareceu", ou então por serem "fenómenos naturais extraordinários ou áreas de excepcional beleza natural e importância estética." Se um local for classificado como Património Mundial da Unesco, o país pode receber apoio financeiro e consultoria especializada para a sua preservação.

Maria João Caetano