Foi encontrado, na passada sexta-feira, um peixe preto com dentes afiados e com uma forma estranha, numa praia da Califórnia. Não é muito comum observar esta espécie, visto que normalmente só é encontrada a milhares de metros de profundidade no oceano.

O peixe deu à costa em Laguna Beach, numa zona protegida e que faz parte do parque de Crystal Cove. A reserva diz que se trata de um pacific football fish (um peixe do oceano pacífico em forma de futebol americano), que pertence à família dos lophiiformes, peixes conhecidos por terem na parte da cabeça um mecanismo de atração de presas.

É um peixe semelhante ao que aparece no filme "À Procura de Nemo", quando a ação se desenrola em águas mais profundas. Alguns destes seres têm uma espécie de luz na cabeça, mecanismo que usam para atrair presas.

Segundo a empresa que gere os parques da Califórnia, os dentes desta espécie são afiados e pontiagudos e a sua “boca grande é capaz de sugar e engolir presas do tamanho do seu próprio corpo”.

Devido ao tamanho, as autoridades identificaram o peixe como uma fêmea, visto que as fêmeas podem crescer até aos 60 centímetros e os machos apenas atingem os 2,5 centímetros. De acordo com uma publicação do parque Crystal Cove, o único propósito do macho é ajudar a fêmea na reprodução.

Os machos agarram-se às fêmeas com os dentes e tornam-se parasitas sexuais, até que se fundem à fêmea e não resta nada deles a não ser os testículos para a reprodução”, vem explicado na publicação.

Além disso, só as fêmeas é que têm aquela ferramenta na cabeça, que é usada para caçar a profundidades que podem chegar abaixo dos mil metros.

De acordo com a CNN, o peixe está agora no Departamento de Peixes e Vida Selvagem da Califórnia, onde vai ser estudado.

Ver este peixe estranho e fascinante é uma prova de diversidade da vida marinha que se esconde debaixo da superfície da água (…) e, à medida que os cientistas continuam a aprender mais sobre as criaturas do fundo do mar, é importante refletir sobre o quanto ainda existe por aprender sobre o fundo do oceano”, lê-se na publicação do parque Crystal Cove.

Redação