O Departamento de Comércio de Pequim, na China, pediu aos importadores que evitem comprar alimentos congelados a países que estejam a enfrentar surtos graves de covid-19.

A medida surge depois de terem sido detetados vestígios do novo coronavírus em produtos alimentares que chegaram à China.

A alfândega e as autoridades detetaram por várias vezes a presença do novo coronavírus em alimentos importados congelados", disse o Departamento de Comércio Municipal de Pequim, num comunicado emitido às empresas importadoras, do qual a CNN teve acesso.

Nesse sentido, foi recomendado aos compradores que analisassem a situação dos países exportadores e "evitassem a importação de alimentos congelados de áreas fortemente atingidas pelo coronavírus".

Às empresas foi pedido que criassem planos alternativos para as importações e melhorassem os mecanismos de alerta, de forma a informar rapidamente as autoridades, caso os produtos apresentem vestígios de covid-19.

Como medida de prevenção, a China suspendeu este mês as importações de alguns produtos congelados provenientes do Brasil, Indonésia e Rússia pelo menos durante uma semana.

O vírus foi detetado em embalagens de produtos importados que chegaram à província de Jilin e à cidade de Qingdao.

A grande potência asiática não tem infeções locais de covid-19 há 43 dias consecutivos, mas foram registados 21 casos importados nas últimas 24 horas.

A Comissão de Saúde da China indicou que os casos importados foram diagnosticados nos municípios de Xangai e nas províncias de Guangdong, Mongólia Interior, Fujian e Shanxi.

As autoridades disseram que, nas últimas 24 horas, 12 pacientes receberam alta, pelo que o número de pessoas infetadas ativas no país asiático se fixou em 185.

Redação / MS