Um estudo realizado pelo Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos Estados Unidos, e publicado na terça-feira no jornal Biology Letters, explica o porquê de os flamingos se apoiarem apenas numa perna. 

O flamingo, embora não seja exemplo único, é um caso extremo: esta ave passa a maior parte do tempo apoiada numa perna.

Segundo esta investigação, liderada pela engenheira biomédica Lena Ting, isto acontece porque estas aves não precisam de recorrer aos músculos para se colocarem nesta posição e, por isso, não gastam energia. A investigadora explica que “pode até ser mais fácil para eles ficarem apoiados apenas numa perna do que em duas”.

Antes, os investigadores pensavam que os animais faziam isso para reduzir o cansaço muscular ou para conservar o calor, mas agora concluíram que as aves não gastam energia nesta posição. 

Para a realização desta investigação, Ting e um colega, Young-Hui Chang, médico que trabalha com próteses, analisaram o comportamento de vários flamingos no jardim zoológico de Atlanta e examinaram articulações de cadáveres destas aves.

Nos flamingos vivos, foi usado um dispositivo chamado placa de força para medir as alterações de postura das aves e os seus movimentos. Os cientistas também estudaram cadáveres destas aves, que já não têm músculos ativos. Os cadáveres foram colocados de pé, apoiados numa só perna, e os esqueletos ficaram estáveis. Pelo contrário, quando apoiados em duas pernas, os esqueletos não tinham tanta estabilidade.