O pintor britânico Timothy Behrens, que pertencia à chamada Escola de Londres, a par de Lucian Freud e Francis Bacon, morreu esta quarta-feira, aos 79 anos, na Corunha, em Espanha, onde vivia há mais de 20 anos.

A morte de Behrens foi comunicada por familiares, noticiou a agência Efe.

Nascido em 1937, no Reino Unido, Behrens formou-se na Slade School of Fine Arts, em Londres, e esteve ligado desde então ao grupo do Colony Room, 'pub' privado, no Soho da capital britânica, onde, nos anos de 1950 e 1960, se reuniam artistas como Freud, Bacon, Michael Andrews e Frank Auerbach.

Este grupo está na base da chamada Escola de Londres, designação adotada na década de 1970, com uma retrospetiva que reunia trabalhos de artistas como o norte-americano R.B. Kitaj, então no Reino Unido, e dos britânicos Michael Andrews e David Hockney, além de Auerbach, Bacon, Freud e Behrens, entre outros, que tinham optado pela pintura figurativa, nas décadas de 1950/60, contra a corrente abstracionista dominante.

Behrens vivia retirado na localidade de Celas de Peiro, no município de Culleredo, há mais de duas décadas, e aí fazia as exposições das suas obras.

A sua pintura refletia sobretudo a paisagem e figuras locais.

Os quadros de Behrens vendiam-se a preços acessíveis, estabelecidos pelo próprio artista, segundo a agência espanhola de notícias.

A leiloeira Christie's regista valores entre os 440 e os 740 euros para quadros transacionados em 2015.

O município de Culleredo deu o nome de uma rua a Tim Behrens, em 2009, e hoje mostrou pesar pela sua morte.