A polícia espanhola deteve um homem pelo crime de upskirt em Madrid, prática que consiste em gravar vídeos não autorizados por debaixo de saias ou vestidos de mulheres. O detido colocava, depois, as gravações em plataformas de conteúdo pornográfico. Ao todo, as autoridades acreditam que foram publicados 283 vídeos, que envolviam 555 vítimas.

O suspeito, que foi detido esta quarta-feira, foi apanhado em flagrante delito pela polícia nacional, que já tinha o seu perfil referenciado depois de seguir pistas relacionadas com vários vídeos publicados pelo homem. As forças de segurança apontam o homem como "um dos maiores predadores da intimidade das mulheres".

As autoridades explicaram, em comunicado, que o detido utilizava uma mochila com uma câmara, que era estrategicamente colocada para filmar as partes íntimas das mulheres, que circulavam nas ruas ou nos transportes de Madrid. A polícia avança que o indíviduo "atuava diariamente de forma compulsiva", chegando a gravar 29 vídeos em apenas 5 dias.

Após uma busca à residência do detido, foram encontrados vários dispositivos com dezenas de gigas de vídeos. Todos os vídeos da página eram feitos em zonas como o metro ou o comboio suburbano e eram feitos depois de o suspeito seguir as vítimas, chegando a apresentar-se às mesmas para obter imagens de melhor qualidade.

A polícia espanhola iniciou a investigação depois de terem localizado um portal na Internet que continha vídeos publicados na zona de Madrid. Os agentes constataram que, além de gravar imagens das partes íntimas das mulheres, o suspeito também lhes filmava a cara, identificando as vítimas.

Uma análise ao perfil que publicava os vídeos permitiu chegar à conclusão que o primeiro vídeo foi publicado em julho de 2018, numa atividade que se tornou recorrente. O perfil em causa tinha mais de 3.500 subscritores e contava com mais de um milhão de visualizações.

As autoridades avançaram que o homem detido é um cidadão colombiano, de 53 anos. A polícia espanhola publicou um vídeo da detenção do suspeito.

/ AG