Os conservadores nacionalistas no poder na Polónia venceram as eleições legislativas com 45,16% dos votos, de acordo com os resultados oficiais que se referem à contagem de 82,79% das circunscrições.

O partido conservador eurocético Lei e Justiça (PiS) de Jaroslaw Kacynski obteve a maioria absoluta para um novo mandato de quatro anos em que pode dar continuidade ao programa de reformas consideradas “controversas”.

A formação política Coligação Cívica (KO), centrista, não ultrapassa os 26,10% dos votos das eleições legislativas que decorreram no domingo na Polónia.

O PiS, de Jaroslaw Kaczynski, deverá conseguir perto de 239 dos 460 assentos que compõem a câmara baixa do parlamento polaco, segundo os dados do instituto Ipsos, citados pelas agências internacionais.

A Esquerda Unida (Lewica), uma aliança de partidos sociais-democratas ausente do parlamento há quatro anos, deverá garantir o regresso parlamentar, sendo seguida pela aliança de direita populista que junta o Kukiz’15 e o Partido Popular da Polónia (PSL, democrata-cristão).

E a “confederação” de partidos extremistas recém-constituída Konfederacja, que se define como “anti-UE, antiaborto, anti-imigração e anti-“ideologia LGBT”, irá também entrar no parlamento.