O proprietário da loja de armamento atingida por uma violenta explosão, no sul de Joanesburgo, morreu no hospital, para onde foi transportado após o incidente que vitimou o filho e mais três pessoas, disse fonte comunitária à Lusa.

Acabamos de receber a notícia de que o proprietário José da Silva faleceu no Union Hospital devido aos ferimentos, confirmam-se cinco mortos”, disse Mike Fontes, responsável do Fórum de Polícia Comunitária (CPF, na sigla em inglês) de Mondeor, que abrange o subúrbio de Glenanda, onde ocorreu o incidente.

Anteriormente, Mike Fontes revelou à Lusa que o comerciante José da Silva, proprietário do estabelecimento ‘Silva Arms’, tinha sido hospitalizado com ferimentos graves numa unidade provincial no leste de Joanesburgo, enquanto o filho, de 15 anos, morreu no local, com mais três pessoas.

O incidente ocorreu pouco depois das 11:00 locais no centro comercial de Glenanda, subúrbio residencial no sul de Joanesburgo, onde se ouviu “uma explosão na loja de armamento, seguida de várias explosões de munições”, explicou o lusodescendente Mike Fontes, que esteve no local.

Foi difícil entrar no estabelecimento devido ao incêndio, ouvindo-se munições a explodirem, e quando as equipas de emergência médica e os bombeiros entraram na loja, conseguiram retirar cinco pessoas”, salientou.

“O primeiro a sair foi o proprietário da loja, que estava gravemente ferido e foi transportado de ambulância para o Union Hospital, em Alberton [hospital provincial a cerca de 10 quilómetros do local]”, referiu Mike Fontes.

Depois, resgataram os corpos de quatro vítimas mortais, que são uma funcionária, o filho do proprietário, de 15 anos, e de dois outros homens, de que não sabemos a identidade, mas julgo que devem ser clientes”, salientou.

A mesma fonte frisou que “a morte das vítimas foi confirmada pelos paramédicos e bombeiros” na sua presença.

Mike Fontes referiu à Lusa que as autoridades sul-africanas estão a investigar as causas do incidente na loja de armamento portuguesa.

/ RL