Os norte-americanos escolhem esta terça-feira o próximo Presidente dos Estados Unidos da América (EUA): Hillary Clinton ou Donald Trump. Devido aos diferentes fusos horários, os Estados votam ao longo de várias horas.

Uma das primeiras assembleias a abrir também já fechou e a vitória foi para Hillary Clinton.

Na pequena localidade de Dixville Notch, no Estado de New Hampshire, havia apenas oito eleitores inscritos. Quatro votaram em Hillary Clinton, dois em Donald Trump e os restantes noutros dois candidatos.

Se as eleições presidenciais nos EUA dependessem desta terra junto da fronteira com o Canadá, Hillary Clinton já teria ganho.

As urnas de nove estados do leste dos Estados Unidos abriram às 06:00 locais (11:00 TMG e Lisboa). Os eleitores começaram a votar nos Estados do Connecticut, Indiana, Kentucky, Maine, New Hampshire, New Jersey, Nova Iorque, Vermont e Virginia.

Contagem decrescente: múltiplos comícios em Estados decisivos

Na segunda-feira, último dia de campanha, os dois candidatos à Casa Branca multiplicaram-se em comícios nalguns dos Estados chamados decisivos, os que podem desempatar a votação.

Hillary Clinton foi a quatro comícios. Ao lado da candidata democrata, estiveram pesos pesados como o próprio Barack Obama e ainda o marido, Bill Clinton.

Num comício em Filadélfia, no Estado de Pensilvâniaque marcou o final da campanha eleitoral, a candidata democrata apelou ao voto dos norte-americanos nas eleições desta terça-feira para haver um resultado "sem dúvidas".

"Vamos votar!", disse Clinton a cerca de 40 mil apoiantes, a maior mobilização de apoiantes que conseguiu durante a campanha.

As últimas sondagens tornam a apontar Hillary Clinton, ex-secretária de Estado e ex-primeira-dama, como a vencedora. Se isso acontecer, será a primeira mulher Presidente dos Estados Unidos da América.

Clinton, parte para estas eleições com uma vantagem de 3,2 pontos percentuais à frente do polémico magnata nova-iorquino Donald Trump, de acordo com a média ponderada de sondagens realizada pela Web Real Clear Politics.

Donald Trump dá o tudo por tudo para inverter a tendência. O candidato republicano esteve em cinco comícios.

O candidato republicano fechou a campanha para as eleições desta terça-feira repetindo o ‘slogan’ "América primeiro", que marcou a sua corrida eleitoral.

"Imaginem aquilo que o nosso país poderia conseguir se começássemos a trabalhar juntos como um povo, sob um Deus, saudando a bandeira americana", disse a apoiantes no Estado do Michigan, no início da madrugada desta terça-feira, a poucas horas da abertura das mesas de voto na costa Leste dos EUA.

"Hoje é o nosso Dia da Independência", disse Trump, naquele que foi o seu último ato público antes da abertura das assembleias de voto para a eleição do sucessor de Barack Obama.

Em jogo, está o voto de mais de 200 milhões de eleitores, um número histórico de norte-americanos registados para eleger o 45º Presidente dos EUA.

Além do próximo Presidente, os eleitores escolhem esta terça-feira todos os 435 deputados da Câmara dos Representantes (câmara baixa do Congresso) e 34 dos 100 do Senado (câmara alta do Congresso).

Redação / AR - notícia atualizada às 11:00