Benoît Hamon derrotou "amplamente" Manuel Valls na corrida a candidato presidencial para França. O responsável pelo projeto de "futuro desejável" conseguiu 58,88% dos votos contra os 41,12% do antigo primeiro-ministro.

Esta noite, a esquerda levanta a cabeça", afirmou o ex-ministro rebelde que superou Manuel Valls que, no discurso de vitória, prometeu tentar uma aliança com o candidato da Europa Ecologia e da esquerda radical: "Vou propor a Yannick Jadot e a Jean-Luc Mélenchon construir uma maioria governamental social, económica e democrata".

Manuel Valls assumiu a derrota e em declarações à imprensa desejou boa sorte ao adversário. 

Felicito-o calorosamente. Sempre tive o senso de ação coletivo e lealdade. Agora, Benoît é o candidato da nossa família política. Quero desejar-lhe boa sorte para o combate que terá pela frente", afirmou o antigo primeiro-ministro.

O partido socialista francês sai bastante enfraquecido do mandato de François Hollande, um presidente em quebra acentuada de popularidade, que deixa França com um desemprego endémico e com um agravamento forte das medidas de segurança na sequência de uma vaga de atentados terroristas sem precedentes.

O antigo primeiro-ministro Manuel Valls obteve 31,48% dos votos na primeira volta da esquerda francesa, no passado domingo, a pouco menos do que cinco pontos percentuais de Benoît Hamon (que venceu, com 36,03%). Arnaud Montebourg ficou na terceira posição (com 17,52%), pelo que os seus votantes (consoante se mobilizem para votar Valls ou Hamon) poderão decidir a contenda.

A primeira volta da esquerda teve uma participação medíocre: 1,65 milhões de votantes, quando as primárias da direita, em novembro, aliciaram mais de 4 milhões de votantes.

Os dois candidatos socialistas esgrimiram argumentos na noite de quarta-feira num último debate televisivo. Manuel Valls, de 54 anos, apostou em valorizar a sua "credibilidade" contra um candidato que considerou apostar em "ilusões" e que vai gerar "deceção". Já Benoît Hamon, de 49 anos, propôs aos franceses um "futuro desejável" contra a "velha ordem" na política.

As sondagens na sequência do debate indicam que 60% dos telespetadores consideraram Benoît Hamon "mais convincente".

A primeira volta das eleições presidenciais francesas realiza-se a 23 de abril próximo. Caso seja necessária uma segunda volta, o escrutínio realiza-se em maio.