A vice-presidente da Tanzânia, Samia Suluhu Hassan, tornou-se hoje a primeira mulher a ocupar o cargo de chefe de Estado neste país da África Oriental, após a morte do Presidente tanzaniano, John Magufuli, na quarta-feira.

Samia Suluhu Hassan tomou posse numa cerimónia transmitida pela televisão, na capital económica do país, Dar es Salaam, em que participaram vários membros do Governo e antigos Presidentes, incluindo Jakaya Kikwete, segundo a agência de notícias France-Presse (AFP).

De acordo com a Constituição da Tanzânia, a vice-presidente deve ocupar agora a presidência do país até ao final do mandato de Magufuli, que expira em 2025.

Foi precisamente Suluhu Hassan quem anunciou a morte de Magufuli na noite de quarta-feira, num discurso à nação que pôs fim a semanas de especulação sobre a ausência do chefe de Estado, reeleito em outubro, que não era visto desde final de fevereiro.

Natural do arquipélago semiautónomo de Zanzibar, cujas relações com a Tanzânia continental são historicamente tensas, Suluhu Hassan era já a primeira vice-presidente da história do seu país, tendo concorrido ao lado de Magufuli quando este chegou ao poder, em 2015.

Posso parecer educada e posso não gritar quando falo, mas o mais importante é que todos compreendam o que estou a dizer e que que as coisas sejam feitas como eu digo”, afirmou Suluhu Hassan em 2020.

Nascida em 27 de janeiro de 1960 em Zanzibar, com um pai professor e mãe dona de casa, Suluhu Hassan é mestre em Desenvolvimento Económico Comunitário pela Universidade Livre da Tanzânia e pela Universidade do Sul de New Hampshire, nos Estados Unidos da América.

Iniciou a sua carreira profissional no Governo de Zanzibar, onde trabalhou entre 1977 e 1987, desempenhando funções administrativas e, mais tarde, como responsável pelo desenvolvimento.

Ainda no arquipélago semiautónomo, juntou-se ao Programa Alimentar Mundial e, mais tarde, dirigiu a associação de organizações não-governamentais (ONG) locais durante dois anos.

A sua carreira política teve início em 2000, com a nomeação para deputada no parlamento de Zanzibar pelo partido presidencial Chama Cha Mapinduzi (CCM), que ainda hoje se mantém no poder. Por este partido viria a ser eleita para a Assembleia Nacional tanzaniana.

Ao longo da carreira política, Suluhu Hassan desempenhou várias vezes o cargo de ministra. Primeiro em Zanzibar, entre 2000 e 2010, como ministra das Mulheres e Juventude, depois do Turismo e Comércio, e, a nível nacional, foi ministra dos Assuntos Sindicais, sob o antigo Presidente Jakaya Kikwete.

Depois das eleições de 2015 e com a conquista do lugar de vice-presidente, um papel que normalmente fica em segundo plano, Suluhu Hassan era o rosto da Tanzânia no estrangeiro, representando regularmente Magufuli.

A muçulmana, de 61 anos, junta-se assim a Sahle-Work Zewde, Presidente da Etiópia, embora esta última desempenhe um papel mais cerimonial.

Magufuli morreu na quarta-feira aos 61 anos devido a doença cardíaca em Dar es Salaam, capital económica da Tanzânia.

De acordo com as autoridades, o Presidente estava internado num hospital desde a semana passada por doença e “tinha um problema cardíaco há vários anos”.

Há semanas que circulavam rumores sobre a saúde de Magufuli, que davam conta de que teria procurado ajuda médica no estrangeiro, depois de ter sido infetado com o novo coronavírus, de acordo com a oposição no país.

Magufuli era um dos mais proeminentes negacionistas africanos da gravidade do novo coronavírus, tendo afirmado que a Tanzânia estava “livre” de covid-19, em virtude das orações dos tanzanianos.

Reeleito em outubro, Magufuli, apelidado de "bulldozer", chegou ao poder em 2015, prometendo combater a corrupção.

O seu primeiro mandato foi marcado, segundo muitas organizações de direitos humanos, por uma deriva autoritária, repetidos ataques à oposição e o recuo das liberdades fundamentais.

/ LF