Os membros séniores da família real britânica não vão usar o uniforme militar no funeral do Duque de Edimburgo. Uma deliberada quebra na tradição para não envergonhar o príncipe Harry, revelam fontes da casa Real ao jornal The Guardian.

Tradicionalmente, nestas ocasiões formais, os membros da família real usam uniformes militares, que refletem os títulos honorários que possuem.

Ora, o Duque de Sussex, que perdeu os títulos militares depois de ter abandonado os seus cargos como membro sénior da família real britânica, seria o único homem sem uniforme na cerimónia, mesmo apesar de ter servido em duas missões no Afeganistão.

O protocolo determina agora que Harry deve usar um traje civil, embora tenha permissão para usar as suas medalhas.

A regra aplica-se também ao príncipe Andrew, Duque de York, que também perdeu os títulos após renunciar aos cargos reais, na sequência da polémica amizade com Jeffrey Epstein.

Espera-se que Palácio de Buckingham anuncie, entretanto, mais detalhes sobre as cerimónias fúnebres do príncipe Philip, incluindo o guarda-roupa. 

No entanto, a imprensa britânica noticia que a escolha da roupa teve mão da rainha Isabel II, que decidiu que a maneira mais simples seria se todos os membros da família real usassem traje civil: roupa de luto e gravatas pretas.

O funeral do príncipe Philip, duque de Edimburgo, será realizado em Windsor, no próximo sábado, dia 17 de abril, anunciou este sábado o Palácio de Buckingham.

As cerimónias fúnebres do serão um "funeral real cerimonial" e não um funeral de estado, que "reflete muito os desejos do duque", disse um porta-voz do palácioHaverá um minuto de silêncio nacional, enquanto o caixão chega à Capela de São Jorge.

A cerimónia respeitará as diretrizes do Governo britânico de regras de combate à pandemia de covid-19, que restringe a 30 o número de pessoas autorizadas a estar presentes em funerais, mas o palácio de Buckingham não confirmou se os membros da família serão obrigados ao uso de máscara de proteção individual.

Rafaela Laja