Uma funerária no Mississippi, Estados Unidos, está a ser processada por ter recusado cremar um morto, em maio de 2016, devido à sua orientação sexual. 

O marido do morto, John Zawadski, e o seu sobrinho entraram com uma ação judicial contra a funerária Picayune por violação de contrato e danos emocionais causados.

Segundo a CNN, a funerária teria feito um contrato verbal com Zawadki em maio de 2016. Depois de cancelado este contrato, a família só encontrou uma funerária disponível para realizar o serviço a cerca de 90 milhas (cerca de 145 quilómetros) de distância, o que levou ao cancelamento do funeral de Robert Huskey.

Depois de notificada, a agência funerária negou todas das acusações.

O Bob era a minha vida e nós sempre nos sentimos bem-vindos nesta comunidade. E então, num momento de tal dor e perda pessoal, ter alguém a fazer o que fizeram comigo, connosco, com o Bob... ninguém deve passar pelo que passámos”, lamentou o marido.

O casal conheceu-se na Califórnia em 1965 e casou em julho de 2015, semanas depois de ter sido legalizado o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Quando Huskey morreu, foi escolhida uma funerária perto da sua comunidade para que os amigos se pudessem reunir todos antes da cremação, diz o processo, segundo a CNN. A ação que está a decorrer exige um julgamento e cobertura de danos monetários não especificados.