O Presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou, esta segunda-feira, que vai pedir ao Governo que o salário mínimo aumente 100 euros a partir do próximo dia 1 de janeiro. O salário mínimo em França, que é atualmente de 1 498 euros deve passar para 1598 euros, em termos brutos. 

O presidente, numa declaração de treze minutos, anunciou ainda o cancelamento do aumento da Segurança Social para os pensionistas que recebem menos de dois mil euros por mês. 

Macron reconheceu que as suas palavras “feriram algumas pessoas” no passado, considerou justificado o descontentamento que originou os protestos, e optou por anunciar um “estado de emergência económica e social” para enfrentar a situação.

Fontes policiais citadas pela agência noticiosa AFP referiam hoje que desde 17 de novembro, a primeira ação dos “coletes amarelos”, foram identificadas 4.523 pessoas em todo o território, e que implicaram 4.099 detenções.

No último sábado, o “ato 4.º” desta mobilização inédita, foram identificadas cerca de 2.000 pessoas, um número recorde, e 1.709 foram detidas. A polícia mobilizou nesse dia cerca de 90.000 efetivos em todo o país, com mais de 8.000 destacados em Paris, onde decorreram os principais protestos.