Um homem ficou esta segunda-feira em estado crítico, depois de ter sido regado com um líquido inflamável e incendiado, durante uma discussão em Hong Kong, em mais um episódio de violência registado esta manhã, foi noticiado.

A polícia confirmou já o conteúdo de um vídeo publicado nas redes sociais que dá conta de uma discussão numa ponte pedonal em Ma On Shan, pouco antes das 13:00 (07:00 em Lisboa).

No vídeo é possível ver um homem, vestido com camisa verde, que acabou de ser agredido. Alguém ajuda o indivíduo, ensanguentado, a limpar-se. À medida que se afasta, o homem ainda gritou: "Vocês não são chineses".

Um grupo respondeu: "Somos Hongkongers". Ele regressa depois de alguém lhe dirigir insultos, intensificando a discussão. Alguém acaba por lançar sobre a cara e tronco um líquido inflamável, ateando de imediato o fogo que se propagou pelo corpo.

Uma fonte policial disse ao jornal South China Morning Post que o homem foi transportado para o Hospital Príncipe de Gales, em Sha Tin, para receber tratamento. O indivíduo apresenta queimaduras de segundo grau em 28% do corpo, principalmente no peito e nos braços.

De acordo com a emissora local RTHK, o homem encontra-se em estado crítico.

Desde a manhã que se têm registado episódios crescentes de violência e vandalismo, algo que se intensificou após pelo menos um jovem manifestante ter sido baleado por um polícia, um incidente que foi também gravado em vídeo e partilhado nas redes sociais.

As últimas informações indicaram que o jovem, já foi submetido a cirurgia, está em estado crítico e nos cuidados intensivos.

Durante as operações policiais, um agente usou a arma de serviço e "um homem foi baleado". Em outras duas áreas, Shatin e Tung Chung, outros polícias foram obrigados a sacarem também das armas de serviço dos coldres, indicou um comunicado da polícia.

"Apelamos aos manifestantes radicais para que sejam calmos e racionais. Os manifestantes devem interromper todos os atos que ameaçam a segurança de outras pessoas e obstruam a execução legal do dever pela polícia", acrescentou.

"Desde esta manhã, manifestantes radicais estabeleceram barricadas em vários locais em Hong Kong. Inclusive, atiraram objetos grandes e pesados, para as faixas de rodagem, representando grande perigo para os utilizadores da estrada", referiu a polícia na mesma nota, adiantando que "os manifestantes também atiraram bombas incendiárias" no metropolitano "e vandalizaram as instalações universitárias".

As forças de segurança indicaram ainda que "devido aos extensos atos ilegais dos manifestantes, a polícia respondeu com operações de dispersão e detenções".

Pouco antes das 08:00 (meia-noite em Lisboa) foi publicado na rede social Twitter um vídeo no qual um polícia de trânsito é visto a atirar três tiros de curta distância em dois jovens vestidos de preto, cor associada aos protestos antigovernamentais e pró-democracia, na área residencial de Sai Wan Ho, onde um grupo de manifestantes estava a bloquear a circulação automóvel.

Na gravação, vê-se inicialmente o agente a atravessar a rua seguido por alguns manifestantes. Num movimento repentino, o agente sacou da arma, virou-se e agarrou um jovem vestido de branco e com a cara tapada por uma máscara.

O jovem resistiu e bateu no ombro direito do polícia, que disparou um tiro no estômago contra outro indivíduo, também de máscara, mas com uma indumentária preta, que tentou aparentemente tirar-lhe a arma. O polícia efetuou ainda dois outros disparos contra outro manifestante que também se aproximava.

Esta é a terceira vez que balas reais são disparadas diretamente contra os manifestantes pela polícia de Hong Kong.

Os outros dois incidentes ocorreram no início de outubro, ferindo dois jovens, de 18 e de 14 anos.

A greve geral foi convocada esta segunda-feira nas redes sociais, depois da morte na sexta-feira de um estudante universitário de 22 anos, que caiu de uns andares de um parque de estacionamento e sofreu ferimentos cerebrais graves em circunstâncias desconhecidas, durante um protesto ilegal em 03 de novembro.

Os manifestantes culparam a polícia, que já negou categoricamente qualquer responsabilidade na morte do estudante.