A ferro e fogo, os balanços de mortos na Venezuela têm-se agravado. O último dá conta de 56 vítimas mortais desde que começaram os protestos no país, a 1 de abril, contra o presidente Nicolas Maduro.

O Ministério Público da Venezuela informou que um estudante morreu, na quarta-feira, numa manifestação no sul do país, elevando o número de mortos.

Em comunicado, o MP disse que Augusto Sergio Pugas Velásquez, de 22 anos, morreu na “quarta-feira, 24 de maio”, depois de ter ficado “ferido durante uma manifestaçã" na Universidade do Oriente na Cidade Bolivar, a capital do estado homónimo situado no sul do país.

Numa declaração à imprensa, na quarta-feira, a procuradora-geral da Venezuela, Luísa Ortega Díaz, disse que os atos de violência tinham causado 55 mortos. Os feridos são às centenas, bem como os presos.

A oposição promete marchar nas ruas até serem convocadas eleições.