O sismo de 6.4 que abalou Porto Rico e fez um morto foi um dos mais de 500 que fez tremer a região em apenas dez dias. De acordo com a CNN, que cita o Serviço Geológico dos Estados Unidos, os abalos vão continuar a fazer-se sentir no país.

De acordo com o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), destes 500 abalos, apenas 32 foram de magnitude superior a 4.

Isto acontece porque Porto Rico situa-se numa zona de falha nas placas tectónicas, o que faz com que a região seja mais propícia a sismos e tsunamis.

"As placas tectónicas em Porto Rico são dominadas pela convergência entre as placas da América do Norte e das Caraíbas, com a ilha a ser esmagada entre as duas. A norte de Porto Rico, a placa da América do Norte afunda a placa das Caraíbas ao longo da vala de Porto Rico. No sul da ilha, a crosta superior da placa das Caraíbas afunda debaixo de Porto Rico, no vale dos Mortos", explica o USGS.

Para o Serviço Geológico dos Estados Unidos, estes sismos são parte de uma sequência, o que pode significar que podem acontecer mais abalos nas próximas semanas.

Punta Ventana destruída pelo sismo

Certo é que os sismos que têm abalado o país têm deixado um rastro de destruição. Um dos marcos turísticos do país, a Punta Ventana, em Guaynilla, desapareceu depois do abalo de 5.4 que atingiu a ilha na segunda-feira, antes do sismo mais forte de terça-feira, considerado o mais destruidor desde 1918.

A formação rochosa, uma das maravilhas naturais do mundo, era um arco de rocha localizado na costa sul da ilha e um dos pontos que mais turistas atraía. De acordo com Nelson Torres Yordan, presidente de Guaynilla, após o sismo, a parte superior do arco colapsou, fazendo desaparecer Punta Ventana.

Também uma igreja colonial construída em 1841 "colapsou por completo" durante o sismo, confirmou o presidente de Guaynilla.

/ AM