O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, comparou, esta segunda-feira, a intervenção das Nações Unidas na Líbia às cruzadas medievais. Putin reconheceu que o regime de Khadafi não se gere por critérios democráticos, mas diz que isso não justifica uma intervenção militar.

«A resolução é deficiente e falhada (...). Ela permite tudo e assemelha-se às cruzadas medievais», disse Putin, durante uma visita a uma fábrica de mísseis balísticos russos.

Vladimir Putin disse ainda que os acontecimentos na Líbia são uma espécie de «abre-olhos» para a Rússia, indicando-lhe que deve reforçar as suas próprias capacidades de defesa.

Putin apontou ainda o dedo à administração de Barack Obama, dizendo que a interferência na política interna de outros países é uma tendência da política externa dos Estados Unidos.