O dirigente da Coreia do Norte, Kim Jong-un, convocou hoje uma reunião plenária do comité central do Partido dos Trabalhadores, no poder, para debater as "atuais tensões", noticiou a imprensa oficial norte-coreana.

Este encontro do comité central vai decorrer depois do fracasso da segunda cimeira, no final de fevereiro passado, em Hanoi, entre Kim Jong-un e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A agência de notícias oficial norte-coreana KCNA deixou entender que a reunião se ia focar no desenvolvimento económico.

O objetivo da reunião plenária vai ser "discutir e decidir a nova orientação e os modos de luta de acordo com as necessidades permanentes da realidade revolucionária", indicou.

O líder supremo sublinhou a necessidade de altos funcionários mostrarem um alto sentido de responsabilidade e criatividade, bem como espírito revolucionário de autossuficiência e força", acrescentou, numa referência a um encontro de Kim com quadros do regime, na terça-feira.

A "nova linha estratégica" foi definida, há cerca de um ano, por Kim como "a construção económica socialista", acrescentando que o desenvolvimento dos programas nucleares do país estava concluído.

O parlamento norte-coreano deverá reunir-se na quinta-feira.

Trump e Kim reuniram-se pela primeira vez em junho de 2018, em Singapura, onde assinaram uma declaração vaga sobre a "desnuclearização da península coreana".

Em Hanoi, Kim Jong-un reclamou o fim das sanções económicas aplicadas a Pyongyang pela ONU, na sequência de vários testes nucleares e de mísseis. O encontro terminou sem um acordo sobre a desnuclearização, necessária para diminuir as sanções contra o regime.

Apesar do fracasso, os dois lados manifestaram vontade em continuar as negociações e Trump destacou repetidamente as boas relações com o líder norte-coreano.