Um ensaio britânico, conduzido pela universidade pública Queen Mary University of London, quer saber se a vitamina D pode proteger o sistema imunitário contra a covid-19.

Para tal está à procura de voluntários que queiram fazer parte da experiência, que terá a duração de seis meses e implica a toma diária da chamada "vitamina do sol", em doses superiores aos suplementos vulgares.

Os interessados têm, ainda, de realizar um pequeno teste que mostre que têm carência de vitamina D, o que não será difícil de acontecer no Reino Unido, onde a população é aconselhada a tomar esta vitamina durante o mês de inverno.

O objetivo, esclarecem também os cientistas, é melhorar a saúde em geral e não especificamente travar a infeção pelo novo coronavírus.

A carência de vitamina D é mais comum nos idosos, nos obesos, nas etnias africana e asiática e em todos os grupos de risco da covid-19.

Os suplementos de vitamina D são baratos, de baixo risco e amplamente acessíveis. Se se comprovar a sua eficácia, podem ajudar significativamente na luta global contra este vírus", defendeu o investigador principal do estudo, David Jolliffe, citado pela BBC.

Catarina Machado