O líder do Novo Partido Democrático do Canadá (NDP), Jagmeet Singh, foi ontem convidado a abandonar a Casa dos Comuns depois de ter chamado racista a outro deputado. 

Jagmeet Singh, que é sikh e o primeiro líder não branco de um partido político no Canadá, pediu aos deputados que aprovassem uma moção reconhecendo que há racismo sistémico na Polícia Montada do Canadá, pedindo ainda uma revisão do orçamento da força policial. 

Porém, Alain Therrien, do Bloco Quebequense, recusou-se a apoiar a moção, o que motivou uma troca acesa de palavras entre os dois deputados, até que Singh lhe chamou racista. Depois de outro deputado ter assinalado o insulto, que foi inaudível para grande parte dos presentes, o líder do NDP levantou-se e reconheceu: "É verdade, chamei-lhe racista", disse Singh.
 

Foi então convidado pelo presidente da Casa dos Comuns a pedir desculpa a Therrien, mas recusou-se, tendo por isso sido expulso do parlamento pelo resto do dia. 

Em conferência de imprensa, mais tarde, o líder do NDP admitiu que ficou "zangado" quando viu Alain Therrien fazer um gesto de indiferença perante o texto da moção.

Com aquele simples gesto, ele desvalorizou as experiências das comunidades indígenas e de pessoas que foram mortas e violentadas pela polícia da mesma forma que outros fizeram durante décadas", frisou, tendo mesmo interrompido o discurso por estar visivelmente emocionado. "Agora, estou triste", acrescentou. "Porque é que não podemos agir? Como é possível dizer que não a isso?", questionou.
 

Bárbara Cruz