O ator John Boyega, que participou nos últimos anos em vários filmes da saga "A Guerra das Estrelas", juntou-se na quarta-feira aos protestos em Londres pela morte do afro-americano George Floyd, asfixiado por um agente da polícia. 

Com um megafone,  Boyega, que é britânico de origem nigeriana, falou à multidão, interrompendo o discurso várias vezes para lutar contra as lágrimas.

As vidas dos negros sempre tiveram importância. Sempre fomos importantes. Sempre tivemos significado. Sempre conseguimos ter sucesso, apesar de tudo. E agora é o momento. Eu não vou esperar", disse o ator, que depois elencou os nomes de vários homens negros mortos pela polícia nos Estados Unidos. Boyega lembrou também as mortes de Stephen Lawrence, um adolescente britânico negro assassinado num ataque racista em 1993 e de Mark Duggan, baleado pela polícia em Londres em 2011. 

É muito, muito importante que não percamos o controlo deste movimento e o façamos tão pacificamente quanto possível", disse o ator. "Eles querem que façamos asneira", sublinhou, antes de pedir aos homens negros que tomem conta das mulheres negras. 

Os protestos pela morte de George Floyd mantêm-se em várias cidades dos Estados Unidos, onde já foram detidas mais de 10 mil pessoas. Também na Europa, a exemplo de Londres, muitas pessoas têm homenageado o afro-americano. Em Lisboa, está marcada para sexta-feira uma manifestação junto à embaixada dos Estados Unidos em Lisboa.

Bárbara Cruz