Depois de um 2017 de anúncios, 2018 foi um ano de concretizações para a família real britânica. E tudo começou logo em fevereiro com um evento que não estava previsto.

A rainha Isabel II teve a sua estreia na Semana da Moda de Londres para homenagear Richard Quinn com o prémio Queen Elizabeth II Award for British Design. Ao lado de Anna Wintour, editora da Vogue, a monarca assistiu ao desfile e pareceu ter apreciado o que viu na passerelle.

Mas esta não foi a única estreia em fevereiro. No mesmo mês, os "Fab Four" apareceram, pela primeira vez, juntos num evento oficial. William, Kate (que estava quase a ser mãe pela terceira vez), Harry e Meghan marcaram presença no Forum Anual da Fundação Real, em Londres, para assinalar o tema "Faz a Diferença" e falarem dos projetos "Heads Together" e "Invictus Games". 

Menos de dois meses depois desta estreia, os duques de Cambridge eram pais pela terceira vez. A 23 de abril, nascia o príncipe Louis Arthur Charles, na Lindo Wing do Hospital St. Mary, em Londres. Poucas horas após o nascimento, William e Kate saíram do hospital, com o filho no colo, para o apresentar ao mundo. O nome, esse, soube-se apenas quatro dias após o nascimento.

E foi o príncipe Louis o grande ausente do evento do ano da família real: o casamento de Harry e Meghan, a 19 de maio, no Castelo de Windsor. Casamento esse que ficou marcado pelas polémicas com a família da noiva e pelo facto de Meghan Markle ter subido ao altar de braço dado com o pai do noivo. 

O anúncio de que o pai de Meghan não iria estar presente no casamento da filha foi feito dias antes da cerimónia. Segundo o comunicado divulgado pelo Palácio de Kensington, o estado de saúde de Thomas Markle não lhe permitia viajar dos EUA para estar presente no dia mais importante da filha. 

Para que a futura nora não subisse ao altar sozinha, o príncipe Carlos aceitou o pedido do filho para que acompanhasse Meghan até ao altar.

"Pedi-lhe e acho que ele sabia o que eu ia pedir e respondeu imediatamente 'sim, claro, faço tudo o que a Meghan precisar e estou aqui para te apoiar'. Para ele, foi uma oportunidade fantástica para se chegar à frente e ser aquele apoio. E, é nosso pai, por isso é claro que vai estar ali para nós", afirmou o príncipe Harry no documentário que assinala o 70.º aniversário do príncipe Carlos.

No altar, o príncipe Harry assistiu ao momento em que a noiva caminhou pela nave da Capela de São Jorge com um sorriso na cara. Agradeceu ao pai pelo gesto e pegou na mão da noiva, entrelaçando os dedos nos dela. E foi assim que ficaram toda a cerimónia que, ao contrário do casamento dos duques de Cambridge, foi mais descontraída. 

À saída da capela, os agora duque de Sussex fizeram o que o público que encheu as ruas de Windsor esperava: beijaram-se no topo das escadas antes de darem início ao desfile até ao castelo, onde decorreu a receção oferecida pela rainha Isabel II, e de onde saíram horas mais tarde, já com roupa de festa para o jantar na Frogmore House

O primeiro evento enquanto casados aconteceu apenas três dias após a cerimónia, com os duques de Sussex a acompanharem o príncipe Carlos e Camilla Parker Bowles na Garden Party no Palácio de Buckingham. Após a festa, suspeita-se que Harry e Meghan tenham partido em lua de mel.

E voltamos aos bebés porque, na realidade, foram eles que dominaram o ano de 2018.

Em junho, Zara Tindall, filha da princesa Anne, foi mãe pela segunda vez. Lena Elizabeth Tindall nasceu na maternidade do hospital Real de Gloucestershire e vem juntar-se a Mia Tindall.

Um mês depois do nascimento de Lena, a família real voltou a juntar-se para o batizado do príncipe Louis, na capela do palácio de St. James, onde os irmãos George e Charlotte também foram batizados. Os grandes ausentes foram a rainha Isabel II e o príncipe Phillip. No entanto, apesar dos rumores de que a ausência se poderia dever a problemas de saúde, fonte oficial garantiu que a ausência da monarca foi combinada há algum tempo por se tratar de um evento familiar pequeno apenas para a família direta e padrinhos.

Mas os bebés reais não se ficaram por aqui, mas já lá vamos.

Um mês antes de anunciar que estava grávida, Meghan Markle lançou o seu primeiro projeto a solo: um livro de cozinha compilado com as mulheres que foram afetados pelo fogo na torre Grenfell.

O livro foi apresentado pela duquesa de Sussex em setembro, ladeada pela mãe, Doria Ragland, e pelo marido, o príncipe Harry, que não escondeu o seu orgulho na esposa.

Os duques voltariam a aparecer em público ao lado da família real no casamento da princesa Eugenie com Jack Brooksbank, a 12 de outubro, na mesma capela onde Harry e Meghan se casaram meses antes.

O casamento da filha do príncipe Andrew e da duquesa de York ficou marcado pelo reencontro do avô da noiva, o príncipe Philip, com a ex-nora Sarah Ferguson. A relação entre os dois nunca foi fácil, especialmente após o divórcio dos duques de York, mas no dia da cerimónia não foi visível nenhuma tensão entre os dois, nem mesmo na fotografia de família oficial.

Mas voltemos aos bebés. O anúncio de que o príncipe Harry e Meghan Markle vão ser pais pela primeira vez foi feito no início da primeira visita oficial dos duques de Sussex. O casal viajou para a Austrália e foi lá que confirmou a boa nova. Um anúncio que gerou alguma polémica, uma vez que a viagem passava ainda pela Nova Zelândia, ilhas Fiji e Tonga e a possível exposição da duquesa ao surto do vírus zika deixou os britânicos preocupados.

O ano real fechou com o 70.º aniversário do príncipe Carlos, em novembro, e para assinalar a data, a Clarence House divulgou três fotografias onde o futuro monarca surge com os filhos, as noras e os netos. 

E por falar em fotografias, a família real não deixou de cumprir a tradição, e para encerrar o ano de 2018 com chave de ouro divulgou três fotografias que foram escolhidas como postal de natal para cada um dos casais: os duques de Cambridge, os duques de Sussex, e o príncipe de Gales com a mulher, a duquesa da Cornualha.