A Espanha registou esta quarta-feira 41.576 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando para 2.412.318 o total de infetados até agora no país, segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

As autoridades sanitárias também contabilizaram mais 464 mortes desde terça-feira atribuídas à covid-19, passando o total de óbitos para 54.637.

O nível de incidência acumulada (pessoas contagiadas) em Espanha continua a aumentar, passando de terça para quarta-feira de 714 para 736 casos diagnosticados por 100.000 habitantes nos 14 dias anteriores.

As regiões com os níveis mais elevados são as da Extremadura (1.425), Múrcia (1.189), Comunidade Valenciana (1.076), Castela-Mancha (1.066), Castela e Leão (1.047), La Rioja (1.042) e Madrid (790).

Nas últimas 24 horas, deram entrada nos hospitais 3.635 pessoas com a doença, das quais 638 na Comunidade Valenciana, 614 em Madrid, 568 na Catalunha e 529 na Andaluzia.

Em todo o país há 25.228 pessoas hospitalizadas com a covid-19, o que corresponde a 20% das camas, das quais 3.583 pacientes em unidades de cuidados intensivos, 35% das camas desse serviço.

Uma dúzia de comunidades autónomas deverá ainda esta quarta-feira, numa reunião das autoridades nacionais e regionais do setor da saúde, apoiar uma proposta para adiantar em duas horas, para as 20:00, o recolher obrigatório atualmente em vigor a partir das 22h00.

Tanto regiões presididas pelo PSOE (socialistas), no Governo central, como as dirigidas pelo PP (direita), na oposição, exigiram este avanço, que para entrar em vigor precisa que seja aprovada uma alteração ao atual estado de emergência.

No entanto, o ministro da Saúde, Salvador Illa, tem-se oposto até agora a esta medida, convencido que as que estão em vigor vão permitir conter o aumento de casos verificados nas últimas semanas.

/ HCL