Nos novos episódios de “Destino: Europa”, a TVI procurou especialistas em cibersegurança e investigadores na área do terrorismo digital. Para isso viajou até aos Estados Unidos, Alemanha, Bélgica e Estónia, onde encontrou múltiplos contrastes, desde protestos motivados por campanhas de desinformação a sociedades totalmente orientadas para a literacia digital.

A 6 de Janeiro deste ano, o mundo olhou incrédulo para as imagens transmitidas a partir de Washington DC, onde centenas de pessoas invadiram o símbolo da democracia americana e concretizaram um ataque sem precedentes na história dos Estados Unidos. A invasão ao Capitólio, motivada por forças de extrema-direita e pelo movimento virtual “QAnon”, foi considerada terrorismo doméstico e concretizou os perigos inerentes à desinformação.

Ataque semelhante marcou Berlim, cinco meses antes, ainda que a polícia tenha conseguido travar a tentativa de invasão ao Parlamento alemão.

A internet e as redes sociais têm sido combustível da narrativa conspiratória “QAnon”, da retórica negacionista associada ao movimento “Querdenken”, mas também plataforma de excelência para a disseminação de notícias falsas na Europa, sob financiamento russo. 

#viral é o tema das novas reportagens de “Destino: Europa” com autoria de Filipe Caetano e Inês Tavares Gonçalves, imagem de Hugo Neves, Nuno Quá e Miguel Bretiano e edição de imagem de João Pedro Ferreira e João Ferreira. Um trabalho para ver 5 e 6 de outubro, no Jornal das 8.