Na quinta-feira, cerca de 200 cidadãos estrangeiros foram retirados do Afeganistão num voo civil da Qatar Airways.

Uma segunda aeronave da mesma companhia foi vista a levantar voo do aeroporto de Cabul, esta sexta-feira. Até ao momento não é claro quantas pessoas estariam a bordo da aeronave e quais as nacionalidades dos passageiros.

Este foram os primeiros dois voos humanitários a aterrar e descolar no Afeganistão desde a saída dos militares norte-americanos do país.

O primeiro voo de repatriamento transportou, sobretudo, cidadãos dos Estados Unidos, mas também passageiros canadianos, ucranianos, alemães e britânicos.

Ambas as operações tiveram o aval do governo provisório talibã.

De acordo com a CNN, a Autoridades de Aviação Civil afegã está à espera que mais operações similares ao longo dos próximos dias.

As pessoas que têm vindo a ser retiradas do país são cidadãos estrangeiros e afegãos que colaboraram com as forças militares internacionais. No entanto, o novo primeiro-ministro, Mohammad Hasan Akhund, prometeu, na quarta-feira, amnistia para “todos aqueles que causaram sofrimento aos combatentes talibãs”.

Ninguém poderá provar que foi sujeito a qualquer tipo de vingança. Em circunstâncias tão tensas, é fácil fazer-se o que se quer, mas o movimento talibã é disciplinado e controla os combatentes armados”, Mohammad Hasan Akhund em entrevista à Al Jazeera.

Mohammad Hasan Akhund culminou reiterando que “ninguém foi magoado por culpa das suas ações prévias”.

Nuno Mandeiro