O organismo responsável pelo controlo das contas públicas no Reino Unido prevê uma "perturbação significativa" no comércio com a União Europeia no início de 2021, mesmo se for alcançado um acordo de comércio pós-Brexit. 

Num relatório publicado esta sexta-feira, o National Audit Office refere que os sistemas informáticos e as áreas de trânsito para camiões ainda não estão prontos para as mudanças que o fim do período de transição vai provocar nas relações económicas entre o Reino Unido e a UE.

O organismo identificou algum progresso na implementação das mudanças necessárias nos sistemas, infraestrutura e recursos, embora tenham sido prejudicadas pela pandemia do novo coronavírus.

É provável que exista uma perturbação significativa na fronteira a partir de 1 de janeiro, já que muitas empresas e terceiros não estarão prontos para novos controlos da UE", avisa, no relatório de avaliação dos preparativos para a fronteira.

De acordo com as previsões mais pessimistas do Governo, entre 40% e 70% dos camiões em trânsito entre a UE e o Reino Unido podem não estar prontos para os novos processos aduaneiros e também alertou sobre filas de até 7.000 veículos junto às principais vias de acesso ao continente europeu, no sudeste da Inglaterra.

Sob o protocolo da Irlanda do Norte, negociado como parte do acordo para a Saída do Reino Unido da UE, no ano passado, a região vai seguir algumas das regras da UE para permitir a liberdade de circulação de mercadorias e serviços através da fronteira com a Irlanda, que continua a fazer parte da UE.

O Reino Unido que saiu da UE em 31 de janeiro e está a beneficiar de um período de transição que mantém o acesso do país ao mercado único e união aduaneira do bloco até o final deste ano, dentro de 55 dias. 

Reino Unido e UE estão em negociações para chegar a um acordo que mantenha o comércio entre as duas partes sem tarifas nem quotas, mas ambos reconhecem existirem ainda divergências significativas. 

/ CE