O discurso foi ao jeito de Boris Johnson, abundante em humor e promessas enfáticas, mas escasso em detalhes.

Sobre a proposta final para o brexit que o Reino Unido apresenta, esta quarta-feira, em Bruxelas, o Primeiro-Ministro britânico disse que se a União Europeia não aceitar os termos, o Reino Unido sai a 31 de outubro aconteça o que acontecer. Boris Johnson esclareceu ainda que não vão haver controlos físicos na fronteira entre as duas Irlandas.

Johnson limitou-se assim a reafirmar o que já tinha dito, na terça-feira, quando foi confrontado com uma fuga de informação sobre o seu plano.

Ao contrário do que foi noticiado, não haverá postos de controlo na fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda, segundo o Primeiro-Ministo britânico. Decisão que permitirá que o trânsito de pessoas e bens prossiga sem interrupções aparentes.

Segundo o jornal britânico "The Guardian", o plano garante também continuidade nas regras comerciais existentes até pelo menos 2025.

Na prática, isto significa que o polémico "backstop" continuará a existir, só que com prazo de validade definido.

Se a proposta de Boris Johnson for aceite pela União Europeia, o que é pouco provável, as relações comerciais continuarão a seguir as regras comunitárias entre o Reino Unido e a República da Irlanda, até pelo menos 2025.