O governo britânico anunciou esta sexta-feira que vai intensificar as negociações com a União Europeia (UE) para tentar chegar a um novo acordo para o Brexit.

A partir da próxima semana, a equipa de negociadores liderada pelo embaixador David Frost vai passar a encontrar-se duas vezes por semana com colegas da UE, existindo a possibilidade de reuniões técnicas adicionais, adiantou, num comunicado, o gabinete do primeiro-ministro, Boris Johnson.

Eu disse desde o meu primeiro dia no cargo que estamos prontos para trabalhar de uma forma enérgica e determinada para chegar a um acordo. Embora tenha sido encorajado pelas minhas discussões com os líderes da UE nas últimas semanas de que existe uma vontade de falar sobre alternativas à solução [para a Irlanda do Norte] antidemocrática, agora é hora de os dois lados acelerarem o ritmo", afirmou o sucessor de Theresa May.

Boris Johnson pretende a eliminação do mecanismo designado por backstop para evitar uma fronteira física entre a Irlanda do Norte e República da Irlanda e que obrigaria o território ou o país a ficarem alinhados com algumas regras do mercado único até ser concluído um acordo comercial definitivo.

O primeiro-ministro britânico entende que esta disposição impediria o Reino Unido de prosseguir uma política comercial independente, e pretende a aplicação de soluções alternativas, mas até agora Bruxelas recusou, alegando a necessidade de esta "rede de segurança" para proteger os acordos de paz para a Irlanda do Norte e a integridade do mercado único europeu.

Na quinta-feira, o negociador-chefe europeu para o Brexit disse que a UE vai continuar a cumprir o seu dever de proteger as condições para a paz na ilha da Irlanda, independentemente da forma como se processar a saída do Reino Unido.

O primeiro-ministro Boris Johnson disse que o Reino Unido vai sair da UE em 31 de outubro. Em quaisquer circunstâncias, a UE continuará a proteger os interesses dos seus cidadãos e empresas, bem como as condições para a paz e estabilidade na ilha da Irlanda. É nosso dever e nossa responsabilidade", escreveu Michel Barnier na sua conta oficial na rede social Twitter.

A saída do Reino Unido da UE está prevista para 31 de outubro, a qual Boris Johnson tem reafirmado que pretende concretizar, com ou sem um acordo para o Brexit.