É caso para dizer: se Maomé não vai à montanha, a montanha vai a Maomé, ou seja, se os turistas não deixam de visitar a 'Blue Lagoon', ela própria trata de os dispersar. Isto mesmo aconteceu em Harpur Hill, Buxton, uma localidade a três horas a noroeste de Londres, em Inglaterra, que tem uma das atrações turísticas do momento no Reino Unido, sobretudo para influenciadores digitais. 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

This day was amazing 💙

Uma publicação partilhada por Corey (@coreyburnhamm) a

Precisamente por parecer um refúgio tropical, a lagoa, que é, no fundo, uma pedreira desativada coberta de água, tornou-se num ponto de interesse em Buxton, e nem a quarentena obrigatória decretada pelo primeiro-ministro Boris Johnson, com o objetivo de conter a propagação do novo coronavírus, desencorajou os turistas de ali se dirigirem. Então, a polícia fez o que conseguiu para travar a onda de visitantes: tingiu a água, azul clara, de preto. A operação das autoridades foi documentada no Facebook:

Yesterday we received reports that people were congregating at the ‘Blue Lagoon’ in Harpur Hill, Buxton.

No doubt this...

Publicado por Buxton Police SNT em  Quarta-feira, 25 de março de 2020
 

Fomos à lagoa esta manhã e usámos corante para tornar a água menos atrativa. Por favor, fiquem em casa".

Esta não é a primeira vez que a lagoa é tingida de preto, sempre devido aos abusos dos visitantes. A reserva de água parece, de facto, um paraíso, mas tem químicos tóxicos e um pH de 11.3, quase o mesmo do que aquele que se encontra na lixívia.

Em redor da atração, existem placas que alertam os visitantes do perigo, que é acrescido pelo facto de, lá dentro, existirem carros, lixo e animais mortos. Por isto mesmo, regularmente, as autoridades são obrigadas a tingir a água, de maneira a afastar os turistas que insistem em entrar.

Por este altura, o Reino Unido conta com praticamente 20 mil pessoas infetadas com Covid-19 e regista 1.231 mortos.

Emanuel Monteiro