Uma mulher britânica que viu a mãe morrer a seu lado numa cama de hospital após ambas terem sido contagiadas pelo novo coronavírus lançou um apelo à população para que sigam as regras sanitárias.

Anabel Sharma conta à imprensa britânica que a mãe de 76 anos retirou a máscara de oxigénio para poder falar com as filhas uma última vez - mesmo sabendo que isso iria ditar a sua morte.

A filha descreve o momento como “comovente”, mas sublinha que foi importante para a mãe não morrer sozinha. 

Anabel divulgou uma fotografia dos últimos momentos da mãe com as filhas com o objetivo de consciencializar a população sobre os perigos relacionados com a pandemia.

A mãe morreu cerca de meia-hora após ter removido a máscara de oxigénio. “A minha mãe pediu para que lhe tirassem a máscara e os médicos disseram, ‘Se tirarmos, não vai ter muito tempo para viver’”, conta a filha em entrevista à BBC.

Ela disse-nos que não tinha medo de morrer, que estava pronta. Disse que eu precisava de lutar muito porque tinha filhos em casa", afirma Anabel.

A irmã de Anabel, Susana, também esteve presente no momento, utilizando equipamento de segurança. "Segurámos a mão dela até ao último suspiro”, conta.

Consola-me saber que fomos capazes de estar com ela e sei que também trouxe consolo à minha mãe", conta.

A mãe, Maria Rico, vivia na mesma casa de Anabel, juntamente com os três netos, de 10, 12 e 22 anos.

Anabel acredita que um dos filhos terá sido infetado com o novo coronavírus na escola, tendo sido espalhado por toda a família “a uma velocidade assustadora”.

Eu quero pedir às pessoas que sigam todas as precauções e pensem nos outros”, disse Anabel.

Anabel Sharma e a mãe deram entrada no Hospital Real de Leicester no mesmo dia em outubro. Maria Rico morreu no dia 1 de novembro.

O Reino Unido registou esta terça-feira mais 60.916 casos de covid-19, um novo recorde diário do país, que ultrapassou pela primeira vez a barreira dos 60 mil contágios.

Segundo os dados oficiais há ainda a registar mais 830 mortes.