O último balanço do ataque junto ao parlamento britânico, em Londres, dá conta de cinco mortos e pelo menos 40 feridos, 12 deles em estado grave. Entre as vítimas mortais está um polícia, que foi esfaqueado pelo atacante, e o próprio suspeito. Outras duas pessoas foram atropeladas mortalmente na ponte de Westminster.

A atualização dos números foi feita pelo Comissário Mark Rowley. As autoridades fizeram saber ainda que acreditam, por agora, que o "atacante atuou sozinho", negando rumores de um segundo suspeito que teria fugido.

O atacante começou por abalroar várias pessoas na ponte de Westminster, ao volante de um carro, que depois abandonou à entrada do parlamento. Depois de sair do veículo, esfaqueou um polícia e foi abatido a tiro por outros agentes.

Um comandante da Polícia Metropolitana anunciou, em conferência de imprensa e também através do Twitter, que o incidente foi "declarado um ato terrorista".

Fonte oficial, que não quis ser identificada, disse à Reuters que o as autoridades suspeitam que o homem se terá inspirado em propaganda do Estado Islâmico.

O líder da Casa dos Comuns, David Lidington, tinha confirmado que o Parlamento foi encerrado.

Toda a zona foi isolada e a própria estação de metro de Westminster foi encerrada a pedido da polícia. As autoridades fizeram um apelo público a quem tiver imagens - fotografias ou vídeos - dos incidentes, para as partilhar com a polícia. Pediu ainda, a quem está na zona, que não filme ou fotografe as vítimas. Que estejam alerta e comuniquem situações suspeitas.

De acordo com várias testemunhas, um carro atropelou várias pessoas na ponte Westminster, antes de seguir em direção ao Palácio de Westminster (Parlamento). Um turista brasileiro tirou uma fotografia ao veículo antes de chegar a polícia ao local.

Um português relatou na TVI24 o momento em que carro terá arrastado as pessoas na ponte. José Martins, que é motorista de autocarros, disse que havia muitos feridos no chão.

Fonte da autoridade portuária de Londres confirmou também que uma mulher foi retirada do rio Tamisa com vida. Terá sido uma das vítimas do atropelamento e está ferida.

Fonte da Secretaria de Estado das Comunidades disse à TVI: “Estamos a acompanhar a situação, mas para já não temos informação de portugueses envolvidos.”

Os órgãos de comunicação britânicos escrevem que a primeira-ministra britânica, Theresa May foi retirada do parlamento, onde se encontrava, e encontra-se em lugar seguro.

Acompanhe AO MINUTO a situação em Londres

Nas redes sociais, circulou imediatamente um vídeo que mostrava pessoas caídas na ponte.

Outras imagens também mostravam o aparato junto ao parlamento.

Sabe-se também que as autoridades, dezenas de agentes, entraram dentro do Parlamento, por forma a assegurar a segurança do mesmo e identificar se ainda havia perigo. Parlamentares foram sendo retirados pela brigada anti-terrorismo.