Vestida de preto, com um discreto chapéu e uma máscara na cara, a Rainha Isabel II ficou sentada, completamente sozinha, durante toda a cerimónia religiosa do funeral do seu marido, o príncipe Philip. É esta, provavelmente, a imagem que todos iremos recordar deste dia: a Rainha, sozinha, depois de ter passado os últimos 74 anos da sua vida ao lado de Philip.

As regras impostas pela pandemia de covid-19 determinaram que apenas 30 pessoas podiam estar na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, e que cada membro da família deveria sentar-se com outro elemento do seu agregado familiar, mantendo uma distância de dois metros dos outros grupos. A Rainha, atualmente com 94 anos, passou o último ano apenas com o marido, pelo que não tinha nenhum outro familiar na sua "bolha".

"Não há humanidade na covid", comentou à BBC Katie Nicholl, correspondente real da Vanity Fair. "Muitas famílias terão passado por isso neste últimos ano e as pessoas estão a identificar-se com a Rainha."

"Acho que foi de partir o coração vê-la sentada ali sozinha. É uma imagem muito solitária e acho que todos simpatizam com ela hoje", disse Katie Nicholl.

Isabel II, sempre sóbria em todos os momentos da sua vida, mesmo nos mais difíceis, mostrou, mais uma vez, porque é considerada o pilar da família: apesar de emocionada, manteve-se, estoicamente, sem chorar em público.

Na cerimónia, tiveram papel de destaque os filhos de Isabel e Philip, em particular Carlos, que é o herdeiro do trono, assim como os netos - William, Harry e Peter Philips (filho da princesa Anne). Todos eles acompanharam a pé, o caixão até à Capela de São Jorge. Coberto com o estandarte pessoal do duque de Edimburgo, com a sua espada, o seu chapéu da Marinha e uma coroa de flores, o caixão foi colocado na parte de trás de um Land Rover verde militar que o próprio príncipe ajudou a construir durante 16 anos.

A procissão ocorreu ao som da fanfarra dos Grenadier Guards, da qual Philip foi coronel por 42 anos.

Kate, mulher de William,  seguiu de carro, enquanto Meghan, mulher de Harry, ficou nos Estados Unidos, por conselho dos médicos, uma vez que está grávida, mas mandou uma mensagem manuscrita e uma guirlanda de flores.

Às 15.00, quando o caixão já estava na escadaria da capela, o Reino Unido cumpriu um minuto de silêncio em homenagem ao príncipe Philip.

À entrada na capela, todos colocaram máscaras pretas na cara, devido à covid-19. Na curta cerimónia, o deão de Windsor elogiou o serviço público do duque de Edimburgo, a sua "lealdade inabalável à Rainha, o seu serviço à Nação e à Comunidade, a sua coragem e fé". Mas também chamou a atenção para as qualidades privadas do duque, conhecidas da Família Real: "os desafios que nos colocou, o encorajamento que nos deu, a sua bondade, humor e humanidade". 

Antes de morrer, o duque planeou cuidadosamente todos os passos da cerimónia. Foi ele que escolheu e encomendou as músicas de compositores da sua preferência, como Benjamin Britten e William Lovelady. No momento em que o caixão desceu para a Câmara Real, a banda militar interpretou temas ligados à marinha, terminando com Action Stations, o sinal para que todos estejam prontos para a batalha.  

Uma salva de canhões colocou um ponto final na cerimónia do funeral do príncipe Philip, que faleceu no passado dia 9 de abril com 99 anos.

Maria João Caetano