O pessimismo é cada vez maior em relação a um acordo com Londres sobre a saída do Reino Unido da União Europeia.

Esta sexta-feira, o ministro britânico para o Brexit reuniu-se com o negociador chefe do bloco europeu, mas as propostas alternativas, apresentadas pelo governo de Boris Johnson, não são consideradas sérias por Bruxelas. 

Em causa, o obstáculo de sempre: a cláusula de salvaguarda destinada a evitar uma fronteira física entre as Irlandas, que Londres não aceita, mas para a qual não tem alternativas consideradas aceitáveis por Bruxelas.

Se não houver um acordo de saída até 19 de outubro, a lei obriga o chefe do governo britânico a pedir um novo adiamento do Brexit. Uma lei que Boris Johnson descreveu como de rendição.