O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, felicitou o novo líder do partido Conservador, Boris Johnson, que vai suceder a primeira-ministra britânica Theresa May na quarta-feira.

Parabéns a Boris Johnson por se tornar o novo primeiro-ministro do Reino Unido. Ele será ótimo!", escreveu Trump na sua conta da rede social Twitter.

O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson foi declarado em Londres o vencedor da eleição para a liderança no partido Conservador, e vai suceder a Theresa May à frente do governo na quarta-feira.

Boris Johnson ganhou com 92.153 votos (66,3%), enquanto o outro candidato finalista, o atual ministro dos Negócios Estrangeiros, Jeremy Hunt, reuniu apenas 46.656 votos (32,7%).

O resultado é o desfecho de um processo que se prolongou por seis semanas e foi decidido pelo voto limitado a cerca de 160 mil militantes do partido Conservador.

Foi desencadeado pela renúncia de Theresa May à liderança do partido a 7 de junho devido à dificuldade em fazer aprovar no parlamento o acordo de saída para o Brexit que concluiu em novembro com Bruxelas.

Boris Johnson só será nomeado primeiro-ministro pela rainha Isabel II após a demissão de Theresa May na tarde de quarta-feira, após o debate semanal com os deputados na Câmara dos Comuns.

Irão felicita Boris Johnson mas alerta que vai defender as suas águas

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohamad Javad Zarif, felicitou hoje Boris Johnson pela sua eleição como primeiro-ministro britânico, mas alertou que o Irão defenderá as suas águas no Golfo Pérsico.

Felicito o meu antigo homólogo [Boris Johnson] que se torna" primeiro-ministro do Reino Unido, escreveu Mohamad Javad Zarif na sua conta da rede social Twitter.

"Temos 1.500 milhas [mais de 2.400 quilómetros] de costa no Golfo Pérsico. Essas são as nossas águas e vamos protegê-las", salientou o chefe da diplomacia iraniana.

Mohamad Javad Zarif indicou ainda que "o Irão não procura conflitos", mas a decisão do Governo de Theresa May em apreender o petroleiro iraniano Grace One ao largo de Gibraltar "sob ordem [dos Estados Unidos] é uma pirataria pura e simples".

A tensão entre o Irão e o Reino Unido aumentou desde a captura, na sexta-feira passada, de um navio-tanque britânico no Estreito de Ormuz pela Guarda Revolucionária Iraniana.

Juncker diz-se pronto para trabalhar "da melhor maneira"

O presidente da Comissão Europeia felicitou Boris Johnson e indicou estar preparado para trabalhar “da melhor maneira possível” com o novo primeiro-ministro britânico.

O presidente da Comissão Europeia [Jean-Claude Juncker] pediu-me que transmitisse as suas felicitações ao senhor Boris Johnson. O presidente quer trabalhar com o primeiro-ministro da melhor maneira possível”, declarou a porta-voz da Comissão Europeia.

Natasha Bertaud, que falava na habitual conferência de imprensa do executivo comunitário em Bruxelas, escusou-se a tecer mais comentários, uma vez que a sua declaração aconteceu minutos depois de o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros ter sido declarado vencedor.

O resultado da eleição foi anunciado pela deputada Cheryl Gillan, uma das responsáveis pelo escrutínio interno no partido, no centro de conferências Queen Elizabeth II, perto de Westminster.

A Comissão Europeia tem reiterado ao longo dos últimos meses que não renegociará o acordo do 'Brexit', mostrando-se, contudo, disponível para trabalhar na declaração política que estabelece a relação futura entre as partes.

A saída do Reino Unido da União Europeia está agendada para 31 de outubro.

Nova presidente da Comissão Europeia espera "boa relação" com PM britânico

A presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, desejou hoje manter uma “boa relação de trabalho” com o próximo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

Em primeiro lugar, parabéns a Boris Johnson pela sua nomeação como primeiro-ministro. Espero vir a ter uma boa relação de trabalho com ele”, disse Leyen, numa conferência de imprensa, em Paris.

A futura presidente da Comissão Europeia salientou ainda os “futuros desafios” que terá de debater com Londres, referindo-se ao Brexit e também às tensões com o Irão, numa conferência de imprensa conjunta com o presidente francês, Emmanuel Macron.

Temos a obrigação de conseguir algo que seja bom para a Europa e o Reino Unido”, disse.

Por seu lado, Macron elogiou a primeira-ministra cessante Theresa May e desejou felicidades ao seu sucessor, reiterando o desejo de Leyen de manterem uma boa relação com Londres.

 

Jeremy Corbyn critica eleição e pede eleições

O líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, criticou a eleição de Boris Johnson como primeiro-ministro por menos de 100 mil pessoas, reivindicando eleições legislativas antecipadas.

Boris Johnson ganhou o apoio de menos de 100 mil membros do Partido Conservador, não representativos, prometendo cortes de impostos para os mais ricos, apresentando-se como amigo dos banqueiros e pressionando por um prejudicial ‘Brexit’ sem acordo. Mas ele não ganhou o apoio do nosso país", escreveu na rede social Twitter.

Corbyn receia que uma saída do Reino Unido da União Europeia sem acordo resulte em despedimentos, inflação e na privatização de partes do serviço nacional de saúde para garantir um acordo comercial com os EUA.

Já a recém-eleita líder dos Liberais Democratas, Jo Swinson, afirmou que "o Reino Unido merece melhor do que Boris Johnson" e que "a sua arrogância em relação ao ‘Brexit' só vai piorar a crise".

A líder do Partido Nacionalista Escocês (SNP) e chefe do governo escocês, Nicola Sturgeon, felicitou Boris Johnson e prometeu tentar trabalhar de forma que "respeite e proteja os objetivos e interesses da Escócia".

Porém, também se mostrou preocupada com a perspetiva de Boris Johnson como primeiro-ministro e prometeu trabalhar com outros partidos para bloquear um ‘Brexit' sem acordo "que causaria danos catastróficos à Escócia".

Sturgeon considera "mais importante do que nunca" continuar a preparar o país para um novo referendo à independência, "em vez de ter um futuro (…) imposto por Boris Johnson e os Conservadores".

No seu discurso de vitória, reiterou hoje a promessa de "concretizar o Brexit, unir o país e derrotar Jeremy Corbyn".