A autoridade de transportes de Londres decidiu esta segunda-feira não renovar a licença para a plataforma de transportes Uber operar na capital do Reino Unido após descobrir que mais de 14.000 viagens foram feitas com motoristas sem seguro.

A empresa, que tem em Londres o seu maior mercado, com 3,5 milhões de passageiros, já tinha sido avisada em setembro pelo regulador, que lhe concedeu dois meses para resolver os problemas, verificando licenças de motoristas e seguros.

No entanto, a Transports for London considerou que continuaram a registar-se “várias violações que colocaram a segurança e os passageiros em risco”, pelo que decidiu não renovar a licença.

Apesar de [a Uber ter] abordado algumas das questões em causa, a Transports of London não acredita que questões semelhantes não venham a acontecer no futuro, o que levou a concluir que a empresa não está apropriada a manter-se no ativo no momento”, justificou em comunicado, hoje divulgado.

A Uber considerou a decisão do regulador como “extremamente errada”, numa declaração em que anuncia que irá recorrer, o que lhe permite continuar a operar enquanto decorrer o processo.

A licença da empresa de transportes expira à meia-noite desta segunda-feira, sendo que a Uber terá agora 21 dias para recorrer da decisão.