Num mundo profundamente marcado pela pandemia de covid-19, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS) disse esta terça-feira que, passado mais de um ano do aparecimento do vírus, e para desagravar as desigualdades entre as sociedades, o "tempo de agir é agora".

“O tempo de agir é agora. O mundo não pode esperar pelo fim desta pandemia para começar a preparar-se para a próxima. Não podemos permitir que as recordações desta pandemia se esvaneçam e voltemos à vida como antes. Não podemos fazer as coisas como fazíamos antes e esperar um resultado diferente”, afirmou o diretor-geral da OMS, que pediu uma “ação robusta”.

Numa altura em que a "esperança" está depositada nas vacinas, Tedros Adhanom, diz que é importante pensar no futuro.

Devemos deixar um legado para as nossas crianças, deixando um futuro para todos", disse o responsável em conferência de imprensa.

Maior compromisso político

Na mesma conferência, o diretor-executivo da Organização Mundial de Saúde, Mike Ryan, disse esta terça-feira em conferência de imprensa que o combate à pandemia exige "um maior compromisso a nível político".

A organização referiu ser importante uma "partilha" de informação e tecnologia, numa altura em que as vacinas são a arma para combater a doença, mas não vão acabar com a pandemia sozinhas. 

Apesar "da luz ao fundo do túnel", a OMS reiterou alguma preocupação com a crescente perceção de que a pandemia acabou.

Os responsáveis reuniram-se em conferência de imprensa após ser conhecido o relatório que dá conta de que a pandemia de covid-19 terá tido origem na transmissão animal e "não num erro de laboratório".

Lara Ferin