mortes dos colegas





“Todos os assuntos são uma tortura porque os outros não estão. Passar muitas noites sem dormir, imaginando o que Charb, Cabu, Honoré e Tignous fariam é desgastante.”


Luzier também deixou uma confissão: não vai desenhar o profeta Maomé novamente. Recorde-se que antes da tragédia, as suas caricaturas do profeta foram alvo de muitas críticas.

um atentado diretor do jornalconceituados cartoonistas