A justiça francesa anunciou, esta quarta-feira, a abertura de uma investigação preliminar a Richard Ferrand, ministro da Coesão Territorial do Governo do Presidente Emmanuel Macron.

Richard Ferrand tem sido alvo de críticas políticas desde que se soube que em 2011 terá beneficiado a sua mulher numa operação imobiliária.

O ministro é ainda criticado por ter contratado o seu filho como assistente pago com fundos parlamentares, uma situação que apesar de não ser ilegal em França não é vista com bons olhos.

Esta investigação, aberta em Brest, surge no mesmo dia da apresentação à imprensa de uma lei sobre a moralização da ética política, prometida pelo novo chefe de Estado.