O presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, anunciou, neste sábado, que vai desistir de concorrer à vice-presidência nas eleições do próximo ano e que, inclusive, vai-se retirar da política quando terminar o mandato.

Rodrigo Duterte anunciou a decisão surpresa após acompanhar ao centro da Comissão de Eleições o seu antigo assessor de longa data, o senador Bong Go, que, em vez disso, apresentou a sua própria candidatura à vice-presidência.

Os presidentes filipinos estão limitados pela Constituição a um único mandato de seis anos e os opositores disseram que questionariam a legalidade da anunciada candidatura, no início de setembro, de Rodrigo Duterte à vice-presidência.

Rodrigo Duterte, que assumiu o cargo em 2016, ficou conhecido pela guerra contra as drogas, ofensiva que causou mais de 6.000 mortos e alarmou os governos ocidentais e grupos de direitos humanos. O Tribunal Penal Internacional está a investigar as mortes.

As Filipinas entraram esta sexta-feira numa longa época de eleições, com o início das inscrições para as eleições presidenciais de maio de 2022, para escolher um sucessor do popular e controverso Rodrigo Duterte.

O primeiro a apresentar documentos à Comissão Eleitoral foi a lenda do boxe filipino Manny Pacquiao, que no início desta semana anunciou que ia abandonar os ringues para se concentrar na luta presidencial.

Outros candidatos que se apresentaram para concorrer à presidência incluem o ator e político Francisco Domagoso, atual presidente da câmara de Manila, e o antigo chefe da polícia Panfilo Lacson.

Os candidatos têm até 8 de outubro para registar a participação nas eleições, em que os cargos de presidente e vice-presidente são eleitos direta e separadamente.

Agência Lusa / CM