Várias dezenas de manifestantes foram detidos hoje em Moscovo quando pretendiam continuar a protestar diante da administração presidencial russa após uma manifestação que reuniu dezenas de milhares de pessoas, constatou um jornalista da agência France Presse.

No final da concentração autorizada que reuniu quase 50.000 pessoas, segundo a organização não-governamental Compteur Blanc, que organizou o protesto, várias centenas quiseram continuar a manifestar-se diante da administração presidencial, com um forte dispositivo policial.

O jornalista da AFP disse ter visto serem detidas pelo menos 50 pessoas.

A concentração foi organizada contra a exclusão de candidatos da oposição e independentes nas eleições locais de setembro, sendo este o quarto fim de semana consecutivo de protestos na Rússia.

Os manifestantes empunharam cartazes pedindo o “direito de votar”, assim como bandeiras russas ou retratos de ativistas presos. Vários líderes da oposição foram condenados a curtas penas de prisão.

A 20 de julho, a manifestação autorizada pelas autoridades reuniu cerca de 20.000 pessoas em Moscovo. Proibidos, os dois protestos seguintes resultaram em 1.400 e 1.000 detenções, respetivamente.

Os protestos começaram após a rejeição de cerca de 60 candidatos independentes às eleições locais de 8 de setembro, num contexto de descontentamento social.