O tiro que matou a diretora de fotografia do filme "Rust" foi disparado quando Alec Baldwin praticava a cena do disparo, que acabou por se revelar fatal para Halyna Hutchins.

Segundo o realizador do filme, Joel Souza, que também ficou ferido durante o incidente, não existem certezas de que a arma disparada tenha sido verificada por alguém antes do disparo. É isso que consta das declarações prestadas à polícia, e que foram divulgadas pelos meios de comunicação norte-americanos.

Além de Joel Souza, também um membro da produção do filme desconhece se a arma foi verificada antes de ter sido dada a Alec Baldwin. O ator estava "sentado numa igreja do cenário" a praticar um movimento técnico que implica tirar a arma do lado oposto à mão que está a ser utilizada.

O realizador assistia à cena perto de Halyna Hutchins, quando ouvir "o que parecia ser como um chicote e um grande estoiro", que pouco depois se revelou ser o tiro fatal, que atingiu a vítima na zona do estômago.

Os investigadores falaram também com um dos operadores de câmara, que à altura estava perto de Joel Souza e de Halyna Hutchins, testemunhando tudo sobre o caso.

Tal como o realizador, Reid Russell reconheceu algumas dificuldades durante as gravações daquele dia, depois de um dos membros das filmagens ter deixado as filmagens depois de problemas no pagamento e alojamento. De resto, o mesmo já tinha acontecido com outros cinco operadores de câmara, que acabaram por também deixar o projeto.

Precisamente por isso, a equipa ficou apenas com uma câmara disponível, que não estava ligada à altura do acidente.

Ao todo, sete pessoas que trabalhavam no filme demitiram-se antes deste incidente invocando, entre outras, questões de segurança, noticiou a agência de notícias Associated Press.

Já Dave Halls, assistente de realização que entregou a arma de adereço a Alec Baldwin, recebeu várias queixas por alegadamente ter um comportamento impróprio e desprezar condições de segurança na rodagem de duas produções, em 2019.

Voltando ao caso em concreto, Joel Souza lembra-se de ouvir a expressão "arma fria", o que significaria que a mesma estaria vazia. Ainda assim, o realizador não consegue assegurar que foi feita a verificação necessária da arma, que passou por duas pessoas antes de chegar a Alec Baldwin.

Foi precisamente Dave Halls que gritou "arma fria" antes de a entregar a Alec Baldwin.

A única coisa que verificamos é se as armas têm munições verdadeiras. Joel Souza disse que nunca deveriam existir balas verdadeiras perto da zona de filmagens", refere o documento da polícia, citado pela CNN.

Sobre Alec Baldwin em concreto, Reid Russell garante que o ator sempre teve cuidado no manuseamento de armas, chegando mesmo a garantir que uma criança que estava no cenário era retirada, num outro momento das filmagens.

António Guimarães