A covid-19 tirou-lhes os visitantes, mas nem por isso deixou sozinhos os chimpanzés do Safari Park Dvur Kralove, na República Checa, que, todos os dias, podem ver online os primos que vivem no zoo de Brno.

O Zoom, serviço de videoconferência que se instalou nas nossas vidas ao ritmo da pandemia, é, agora, uma companhia permanente para estes primatas, que, com telas instaladas nas suas jaulas, podem ver o que se passa a 150 quilómetros de distância e, sobretudo, reviver emoções.

A ideia surgiu dos tratadores, de modo a recuperar um pouco da diversão perdida com o confinamento, e, tal como acontece com os humanos, estes chimpanzés reagem ao que veem na tela, ainda que o som esteja desligado, como tantas vezes é desejável no Zoom.

No início, eles aproximavam-se do ecrã com gestos defensivos ou ameaçadores, havia interação. Desde então mudou para o modo 'estou no cinema' ou 'estou a ver televisão'. E quando veem situações tensas, levantam-se imediatamente, como acontece connosco quando assistimos, por exemplo, a um evento desportivo", contou a tratadora Gabriela Linhartova.

E de tanto verem TV, os chimpanzés adotaram alguns hábitos humanos, como pegar em comida, como amendoins, para comer enquanto estão a ver o que se passa na tela.

O Safari Park Dvur Kralove também permite que, à distância, os visitantes acompanhem as videoconferências, através de um endereço de streaming. Pelo menos até ao final do março, quando o projeto será reavaliado.

Catarina Machado