O profissionalismo do maquinista que conduzia o comboio onde se deu a explosão no metro de São Petersburgo poderá ter evitado um número de mortos maior. Isto mesmo foi divulgado pela porta-voz do comité de investigação russo, Svetlana Petrenko, esta segunda-feira.

Os dados obtidos até agora pelos investigadores mostram que o maquinista cujo comboio foi atingido pela explosão agiu de forma muito profissional perante a situação”, sublinhou a responsável.

Depois de ter ocorrido a explosão, eram cerca de 14:40 (hora local), num troço entre a estação de Sennaya e a estação do Instituto de Tecnologia, o maquinista do comboio não parou de imediato. Pelo contrário, conduziu o veículo até à estação que se seguia, a do Instituto de Tecnologia.

Para as autoridades esta foi claramente a “decisão certa” pois permitiu evacuar a composição e prestar assistência aos feridos.

A explosão ocorreu entre duas estações e o maquinista tomou a decisão certa ao não parar e conduzir o veículo até à estação. Permitiu evacuar o local e prestar assistência imediata às pessoas feridas”, explicou Svetlana Petrenko.

A decisão "certa" que, de resto, acrescentou a mesma responsável, poderá ter evitado um maior número de mortos. 

Não está excluída a hipótese de que isto evitou um número de mortos ainda maior.”

O maquinista Alexander Kaverin

Uma explosão no metro de São Petersburgo fez 11 mortos e 45 feridos, esta segunda-feira.

O comité de investigação russo confirmou que o caso está a ser investigado como um "ato terrorista", mas não estão excluídas outras possibilidades. 

O engenho explosivo estaria numa mala que foi deixada na carruagem. Entretanto, uma segunda bomba foi encontrada e detonada pelas autoridades na estação de Ploshchad Vosstaniya, numa altura em que o metro já se encontrava encerrado.

As autoridades confirmaram que procuram dois suspeitos por envolvimento no incidente.