Pelo menos 55 elefantes morreram à fome nos últimos dois meses, no Parque Nacional do Hwange, o maior do Zimbabué. Os animais não resistiram aos efeitos da seca que se se faz sentir no país africano.

O problema é real, a situação é terrível", afirmou o porta-voz da Autoridade de Gestão dos Parques Naturais e da Vida Selvagem, Tinashe Farawo, em declarações à Associated Press.

O Zimbabué atravessa uma das piores secas dos últimos anos, ao mesmo tempo que sofre de um colapso económico.

O Parque Nacional do Hwange encontra-se sobrelotado, o que contribui para a destruição da vegetação, que é essencial na alimentação de animais como os elefantes. Atualmente, o parque tem cerca de 53 mil elefantes, quando a sua capacidade máxima é de 15 mil.

Neste momento, as agências de vida selvagem do país africano estão a perfurar a 400 metros de profundidade, para tentar encontrar água.

A maior ameaça aos nossos animais é a perda de habitat", acrescenta Tinashe Farawe.

O Parque Nacional de Hwange ocupa 14650 quilómetros quadrados e está localizado a norte do Zimbabué. Tornou-se numa zona de caça real no século XIX e passou a parque nacional em 1929.

Aquela zona do continente africano tem uma das maiores populações de elefantes, que se espalham, sobretudo, entre o Zimbabué e o Botswana.