A Austrália perdeu quase um terço dos seus coalas nos últimos três anos, devido, principalmente, a secas, incêndios e desflorestação, indicou, na terça-feira, a Australian Koala Foundation.

O organização não governamental sem fins lucrativos estimou que o número destes marsupiais caiu para menos de 58 mil em 2021 (em 2018 eram 80 mil). O maior declínio foi verificado no estado de Nova Gales do Sul, onde a percentagem chegou aos 41%.

Os declínios são bastante dramáticos", expressou a presidente da Fundação Australiana para os Coalas (na tradução literal), Deborah Tabart, citada pela CNN.

Em nenhuma localidade da Austrália foi verificada um tendência crescente.

Uma investigação realizada pela fundação mostrou que uma das áreas estudadas tem mais de 5 mil coalas e que algumas regiões têm apenas cinco ou dez exemplares estimados.

Agir é, agora, imperativo. Pode parecer que esta é uma história interminável de escassez e destruição, mas estes números estão corretos e, provavelmente, serão muito piores", acrescentou Deborah Tabart à agência de notícias Reuters.

O declínio em Nova Gales do Sul acelerou após a devastação causada pelos incêndios florestais no final de 2019 e no início de 2020.

As nossas maiores preocupações são locais como o oeste de Nova Gales do Sul, onde a seca dos últimos dez anos está a ter este efeito cumulativo – sistemas fluviais completamente secos durante anos e Eucalyptus camaldulensis, que são a força vital dos coalas, mortas”, constatou.

Para além do impacto da seca e dos incêndios, a limpeza de terrenos por promotores imobiliários e construtores rodoviários têm destruído o habitat dos coalas.

Redação / IC