As autoridades da Califórnia anunciaram, esta quarta-feira, a prisão do homem responsável por dezenas de assassinatos e violações em massa nas décadas de 1970 e 1980. A identidade deste homem permanecia até agora um mistério. Durante mais de 40 anos, não se sabia quem era  “Original Night Stalker”, ou “Violador da Zona Leste”, ou do “Homicida da Golden State”, os vários nomes pelos quais era conhecido. A informação foi confirmada pela procuradora do condado de Sacramento, Anne Marie Schubert durante uma conferência de imprensa aos meios de comunicação locais. 

Joseph James DeAngelo é um ex-polícia com 72 anos e foi detido depois de uma amostra do seu ADN, encontrado nos locais de dois homicídios, ter coincidido com o do serial killer.
 

Encontrámos a agulha no palheiro e estava aqui mesmo em Sacramento”, disse a procuradora da cidade, Anne Marie Schubert, durante a conferência de imprensa, acrescentando que "a resposta esteve sempre no ADN". 

O ex-agente foi procurado durante várias décadas pelas autoridades locais, que o tratavam por  “Original Night Stalker”, ou “Violador da Zona Leste”, ou do “Homicida da Golden State”. O seu método passava por invadir casas durante a noite e violar as mulheres, muitas vezes em frente aos maridos, acabando por matar ambos em algumas das vezes. Na altura, por falta de provas, e porque os crimes pararam de acontecer, o caso acabou por cair em esquecimento das autoridades.

Agora o caso voltou novamente a chamar a atenção dos investigadores por causa do livro "I'll be gone in the Dark" ("Desaparecerei na escuridão"), que terá dado origem a novas pistas para a investigação. 

Além disso, a polícia começou a estudar o dia-a-dia de Joseph James, apesar de terem sido as amostras de ADN que acabaram por confirmar as suspeitas. 

Quando saiu da sua residência, tínhamos uma equipa a postos que o conseguiu deter. Ele ficou muito surpreendido, conta o xerife de Sacramento, Scott Jones, citado pela CNN.

Joseph James DeAngelo enfrentará agora, pelo menos, 50 acusações de violação e 12 de homicídio.

/ AA